15 de out de 2012

Análise de personalidade: Os Simpsons

Os Simpsons, desenho americano composto por cinco integrantes principais pertencentes a uma mesma família é um bom exemplo de ficção em que podem ser observadas as personalidades dos personagens, principalmente porque as características se tornam mais evidentes e menos mutáveis facilitando a determinação de um tipo. Além disso, o desenho retrata o cotidiano de uma família em que também são verificáveis os aspectos práticos da personalidade.
Começando pelo pai da família, Homer Simpson, é aquele que geralmente se mete em apuros por não estar atento às suas responsabilidades. Ele não pode ser considerado um trabalhador impecável, porque muitas vezes não resiste e acaba dormindo no local onde trabalha ou cometendo outras gafes. Além disso, Homer é muito complacente com seus hábitos e prazeres físicos, como beber, comer ou dormir o que provavelmente o caracteriza como sensitivo extrovertido. Apesar de nem sempre parecer comovido com a situação dos outros e se aproveitar de algumas pessoas, Homer, no fundo, tem um bom coração e sempre alegra as pessoas, ainda que de forma involuntária pela sua personalidade cativante e ao mesmo tempo, atrapalhada. Quando age errado é porque não consegue equilibrar suas vontades com o que é correto fazer. Como o sentimento do Homer atua de maneira secundária e se dirige para o seu interior, ele é um bom exemplo de ESFP, mas com aspectos mais exagerados por se tratar de um desenho animado.

Marjorie Simpson é a esposa de Homer e mãe de seus filhos. Ela é sempre vista como bondosa, dedicada à família e passa a maior parte do seu tempo cuidando da casa. Apesar das confusões que Homer se mete, a Marge sempre procura pacientemente resolver a situação, assim como defende seu filho Bart do pai. Boa parte de seu foco exclusivo à família também se deve ao fato de Marge ter dificuldade de fazer novas amizades (muitas vezes por culpa do Homer). A Marge, tradicional e observadora, é uma ISFJ, frequentemente agindo de forma calma e atenta às necessidades dos outros, especialmente familiares. 
Bart Simpson, o filho mais velho da família, se caracteriza por ser um menino ativo, mas nada empenhado nos estudos. Na escola, ele está sempre sendo visto como mal comportado e na companhia de seu amigo/aliado Millhouse Houten, Bart também se mete em confusões em decorrência do seu jeito bagunceiro. Ele pode facilmente corresponder ao tipo ESTP já que não dá muita atenção aos limites impostos, promove a desordem onde há regras e tem um caráter radical e esportivo. Assim como seu pai, Homer, ele também está muito susceptível a ir de encontro com seus impulsos, também sendo visto como irresponsável.
A Lisa, Elisabeth Simpson, é uma garota inspirada e muito interessada por questões mundiais, tal característica a classificaria como uma NF. Ela é a mais diferente da família e frequentemente não é compreendida pelos outros. Apesar de nova, ela toma decisões (geralmente incomuns) por si mesma, como, por exemplo, o fato de ser vegetariana, seguir uma religião diferente de toda a família e tocar saxofone. E também se revela um tanto quanto teimosa quando está certa. Por sua dificuldade de se tornar entendível para as pessoas que nem sempre acompanham o raciocínio e as ideias de Lisa, ela seria uma intuitiva introvertida, sugerindo, então, o tipo INFJ. 

Maggie Simpson, a filha mais nova de 1 ano, apesar de não saber falar e de ser muito difícil apontar um tipo psicológico para ela, alguns episódios do futuro, preveem a Maggie agindo de maneira muito particular e inteligente. Ela mostrou que sabe tocar saxofone melhor que sua irmã Lisa e em vários episódios surpreendeu com habilidade físicas e mentais que nem sempre os outros integrantes da família tinham. Embora não se possa definir uma personalidade para a Maggie, o tipo ISTP parece bem possível para ela, devido às suas habilidades, inclusive com armas e auto defesa apresentadas em alguns episódios e sua tendência a se meter em situações perigosas.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário